Coisas que a gente pensa quando está sozinha

postado em: Vida | 0

Às vezes eu penso que, por estar morando longe, acabo perdendo a chance de compartilhar momentos e pensamentos com pessoas que eu gosto e queria por perto. Mas aí eu lembro que, mesmo quando estava perto dessas pessoas, muita coisa rolou enquanto eu estava sozinha e eu queria compartilhar e não deu porque ou a pessoa não estava online no momento, ou eu mesma esqueci de falar e já era.

Outras coisas a gente tem vergonha de falar, porque parecem muito bobas ou mesmo doentias, tipo, “wtf tem de errado comigo pra pensar umas coisas assim?”. Aí eu lembrei que estamos na internet e aqui você pode falar o que quiser e, caso não queira falar, é só procurar no Google que alguém já falou antes.

Então eu fiz uma listinha de coisas que eu penso quando estou sozinha e vocês podem ficar livres para acessar quando estiverem pensando coisas do tipo.

O que será que essa pessoa está fazendo agora?

Eu fico muitas vezes por dia pensando o que meus artistas preferidos, meus amigos ou a minha mãe estão fazendo agora. O que será que estão pensando neste momento? Será que tão pensando em mim? No caso dos artistas, eu penso “será que eles tem dias chatos, sem porra nenhuma pra fazer?”. Será que o cara que fez o Trevor no GTA tem uns dias massa? Eu sou tão bizarra, que meu lance não é nem coluna de fofoca. Eu não quero saber na verdade o que essa pessoa fez ou pra onde ela foi. Eu quero saber o que tá rolando agora, enquanto eu tô escrevendo esse texto.

Como o cara pensou numa música assim?

Ou a mina, ou sei lá quem. Tem umas músicas que eu ouço e penso: de onde que saiu essa letra? Às vezes é o jeito que a música tá produzida, como chegaram nisso? Quem ouviu e falou: ah, faltam uns barulhos de motoserra no fundo pra dar um tom mais eletrônico industrial. Sério, tem umas músicas com uma combinação de barulhos secundários que eu realmente imagino como foi pra gravar isso e quem pensou que esse barulho faria diferença? Será que faz diferença mesmo ou a pessoa é doente detalhista? Uma das músicas que eu tenho viajado muito é a Obedear do Purity Ring.

Eu queria tanto ser artista.

Essa parte é mais no sentido de ser criativa, conseguir ter ideias loucas e executá-las e não tanto da parte de ser famosa. Claro, seria legal ser famosa pra colar numas festas bacanas e conhecer a galera que eu sou fã, mas ser artista pra mim, na verdade, é trabalhar de forma criativa, dar um contorno único às suas ideias e ter talento e dedicação pra fazer um negócio legal. Conseguir pintar, desenhar, tocar piano, atuar, editar vídeos, essas coisas.

Será que alguém já teve um momento tão bom quanto esse?

A felicidade nas coisas sutís, coisas que você percebe que são muito agradáveis, mas não estão óbvias. Tipo aquela sombra num dia de sol latente, de repente o seu sorvete favorito. Um mergulho na piscina com a temperatura certinha, que você mais gosta. Um abraço sincero com a pessoa que você mais ama, um cafuné, dormir uma noite inteira e sonhar com coisas legais. Assistir algo que você gosta muito, beber o que você gosta, comer o que você gosta, não precisar lavar a louça. Enfim, tudo isso, ou nada disso, algo que seja só seu e que só você entenda. Aquele dia feliz mesmo, que você pensa “nossa, acho que felicidade é isso” e passa muito rápido.

Ninguém percebeu que eu trapaceei.

Quando você, sem querer, furou a fila do mercado, mas só você percebeu. Ou quando o caixa erra seu troco e você percebe só quando chega em casa. Quando você chega bêbado em casa e sua família não percebe, ou quando tá chapado no trabalho. Aquelas trapaças que, na verdade, não fazem mal à ninguém (a não ser você mesmo). Comigo rola muito quando eu não tô prestando atenção no que alguém está falando e acabo dando uma resposta aleatória que se encaixa perfeitamente no assunto. Eu lembro desses momentos e dou um high five em mim mesma. Ah, tem aquele peido que você dá em locais “inapropriados” e só você sabe. Crime perfeito.

01165711103242

Deixe uma resposta